terça-feira, 4 de maio de 2010

Abril Despedaçado, de Ismail Kadaré

O livro, de poucas páginas e de fácil leitura, nos leva a pensar através de diferentes personagens. Todos, no entanto, estão ocupados em interpretar, sentir, viver, admirar, renegar, questionar ou sobreviver sobre as regras do Kanun.

Kanun é um código moral que há séculos vem sendo transmitido, de boca a ouvido, a todos os membros da comunidade em algumas regiões da Albânia, especialmente na região montanhosa do norte, onde se passa a história contada por Ismail.

Apesar do Kanun tratar de diversos assuntos relativos à vida comunitária e privada, o livro baseia-se nos artigos mais terríveis do código, aqueles que tratam da vendeta, uma série de ações e reações para vingar o sangue de alguém.

Dentro do Kanun vive Gjorg, um montanhês afligido pela angústia de ter que vingar a morte do irmão. Durante toda leitura, espera-se que ele reflita sobre a irracionalidade daquela vendeta que assombra a sua família a centenas de gerações num rastro de sangue e aflição. O personagem já nem sabe por que mata, mas sabe para que vive.

No entanto, o que se vê é um ser humano irracional, peça de uma engrenagem milenar. Enquanto Gjorg fortalece o Kanun, Bessian Vorps, um escritor conhecido, decide passar sua lua-de-mel com a esposa nesse lugarejo ditado pelo antigo código para ver de perto as leis sendo aplicadas. O que Bessian não poderia prever é que essas leis também entrariam na sua vida, não como objeto de estudo, mas para alterar o seu destino para sempre.

Sobre o autor:
Poeta, novelista e romancista, Ismail Kadaré é o mais conhecido escritor albanês. Nasceu em 1936, na cidade de Girokastra, sul da Albânia. Entre outros livros, publicou O General do exército morto, A Fortaleza e As Frias Flores de Abril.

Curiosidades:
Etimologia da palavra cânon:
lat. canón,ònis ‘lei, regra, medida, regras de gramática, tubo de uma máquina hidráulica, contribuição, conjunto de livros sagrados reconhecidos pela Igreja como de inspiração divina’, do gr. kanôn,ónos ‘haste de junco, régua de construção, peça de maquinaria, chave de abóbada, fronteira ou limite, tipo, modelo, princípio, épocas ou períodos principais da história, regra ou modelo ou padrão gramatical de declinação, conjugação, flexão, metrificação’; ver canon-
Abril Despedaçado, de Walter Salles é inspirado no livro de Ismael. A partir do livro de Kadaré, Salles faz uma aculturação brasileira do Kanun, resultando em uma história que se passa no Brasil, em abril de 1910 e que se torna atemporal e contemporânea.

Marca-livro:
Com o canto do olho Gjorg mirou o fragmento de paisagem além da janela estreita. Lá fora corria março, meio risonho, meio gelado, com aquela perigosa luminosidade alpina que só esse mês possuía. Mais tarde viria abril, ou melhor, apenas a primeira metade.Gjorg sentiu um vazio do lado esquerdo do peito. Abril desde já se revestia de uma dor azulada…Ah, sim, abril sempre lhe causara essa impressão, de um mês um tanto incompleto. Abril dos amores, como diziam as canções. O seu abril despedaçado…

Um comentário:

Marcelo Lopes Vieira disse...

Esse livro é sensacional! As ambientações históricas ficaram muito bem colocadas e o Kanun se torna a mola propulsora dos turning points do livro… É interessante notar que este código, ao contrário do que muitos pensam, ainda tem pessoas que o sigam até hoje. Publiquei um texto sobre o Kanun, onde trago um documentário registrando a vida de um garoto que o próximo a ter o sangue tomado pela vendetta… Fica o link abaixo… Abraços e parabéns pelo blog… https://gavetadebagunca.wordpress.com/2015/06/21/kanun-o-codigo-de-conduta-albanes-que-legaliza-a-vinganca/