segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Quando eu amo, amo bastante

Realmente, não sou de me lamentar. Mas confesso que nos últimos meses minha fraqueza foi justamente essa. Mas como diria uma conhecida minha: passou, agora passou. Não sei o que é mais chato nessa história toda, se os meus nheco-nhecos ou os amigos ouvindo meus miados. Cheguei a ter brotoeja de tanta chatice e sabe-se lá quem mais teve os mesmos sintomas. Claro, essa coisa contagia todo mundo. Consegui me encaixar em todos os poemas e músicas tristes, usei muitos lencinhos pra secar a última lágrima, passei horas olhando para o meu papel de parede e pensando na vida. Que  vida? Aquilo tinha outra nome. Vida é essa que começo a viver agora. Me senti cafona, fora de moda, em outro século. Mas não me arrependo de nada, tudo tem o seu valor, mesmo aquilo que nos ensina a ser o que nunca fomos. E agora consigo me encaixar tão bem em outros poemas, como esse do Fernando Pessoa:


Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)


O que levo disso tudo é uma profunda vontade de amar mais e melhor. Nada me desvirtua desse destino: de amar e ser amada. Nenhuma desilusão, nem grande, nem pequena, me tiram desse caminho. Nada, nem as palavras no lugar errado, nenhum fato, me afastam da certeza de que sempre vale a pena amar mais uma vez. Sem mágoas ou memórias tristes. Pra mim, ficam só as coisas boas. Sempre foi assim e é por isso que sempre amei bastante. É por esse motivo que além de continuar amando quem escolhi para amar a vida toda, ainda vou agregando novos amores. Tem muito espaço no meu coração. E a minha máxima continua valendo: se é amor, ele não fim, tem recomeço.

5 comentários:

Ana Flores disse...

amar e ser amada. amar e ser naiana. miau.

Beatriz disse...

e é tão bom amar tanto!

Júlia Schütz Veiga disse...

mais vontade ainda de você. das nossas risadas. da nossa amizade. hoje, mais do que nunca, queria você em paris comigo. bisous-bisous.

San disse...

é meu amor... amamos vários e somos um para cada um que amamos!

love you!

Imagine disse...

Nai, tive q pegar emrestado tuas palavras e postei no meu blog, elas tb falam por mim, e mais do q isso me ajudaram a enxerguar sobre outra perspectiva, parabéns pelas palavras lindas. Tens um dom mto lindo.
beijoss