sábado, 12 de fevereiro de 2011

Fragmentos de mim

Já é tarde no horário dos homens. Posso ouvir um inseto se debater em alguma parte da casa. Pausadamente, um carro passa furando o silêncio da noite. Sou obrigada a ser. Estou queimando o tempo. Estou cansada da sua solidão.
As contas engavetadas, as revistas fechadas. Tanta coisa deixada de lado. Os projetos por fazer. O tempo rasgado como uma folha sem uso.
A vida nos ensina a perder objetos, pessoas e zecas. 
Fragmentos de mim. Flores partidas. Pedaços de uma vida.

Um comentário:

Hirota disse...

Nai, gosto tanto da sua visão sobre o mundo =)
É apaixonante!
Beijos