quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Beleza sustentável e qualidade de vida

Muito se escreve sobre beleza em revistas e jornais. Há uma infinidade de cosméticos que prometem acabar com as rugas, com as imperfeições e retardar o envelhecimento. Lemos sobre dietas milagrosas, pílulas que rejuvenescem e novidades no campo da ciência que possuem o único intuito de preservar a nossa juventude.
 
Na maioria dos casos, o que vemos são efeitos paliativos que escondem temporariamante o quanto nos descuidamos de nós mesmos. Estamos realmente na era do vídeo-clip, do fast food, da velocidade mega da internet. As pessoas exigem rapidez em tudo, inclusive para os resultados na área da estética. Ao mesmo tempo, isso gera uma falta de profundidade no entendimento das coisas. O tempo é curto e todos precisam obter alguma informação sobre o assunto do momento: sejam os escândalos na área da política, o que acontece com as celebridades, os últimos lançamentos da moda ou a nova cor de esmalte. E sobre o que acontece dentro de nós, investimos quanto tempo? Como consequência desse tipo de atitude, muito influenciada pelos meios de comunicação, a sociedade atual gera um indíviduo que se conhece superficialmente e que se preocupa muito mais com a beleza exterior do que com o seu próprio bem-estar. Há uma enorme preocupação em parecer belo e um verdadeiro descuido ou desinformação quanto a ser belo.
 
Além disso, a indústria da beleza criou um arquétipo inatingível e uma realidade insustentável. Um tipo de beleza que não é natural nem alcançável pela maioria das pessoas. O público mais suscetível a esse tipo de pressão é o feminino. Mulheres sempre magras, rostos perfeitamente simétricos, pele homogênea e cabelos de acordo com a moda estampam os editoriais de moda. Como se não bastasse isso, ainda existe outro agravante nesse processo de culto a um ideal de beleza, que são as revistas femininas destinadas a uma determinada faixa etária utilizarem, como modelos, mulheres com dez ou vinte anos a menos do que o público alvo. Como conquistar esse ideal? Como ter dez ou vinte anos a menos? Uma tarefa impossível para uma geração de mulheres insatisfeitas e com uma série de distúrbios alimentares e de imagem.
 
A pergunta que faço é: como sustentar uma beleza independentemente dos recursos estéticos que existem? Como ser belo de verdade? Nesse cenário surge um novo conceito que é o da beleza sustentável. Segundo o escritor DeRose, referência na área do bem-estar e da qualidade de vida, beleza sustentável é aquela maneira de se expressar na vida, na família e no trabalho, de forma a deixar satisfeita e realizada a própria pessoa, acima de tudo, e os demais, por consequência. Beleza sustentável é aquela que pode e deve ser cultivada independentemente da cosmética e das plásticas, as quais podem atuar como coadjuvantes, mas jamais como solução mágica. Beleza sustentável é aquela que resiste ao longo dos anos, seja qual for a idade da pessoa e sempre arranca exclamações de admiração.
 
Esse conceito de beleza pode ser assimilado e incorporado por nós em nossa maneira de ser, na forma como interagimos com as pessoas e como influenciamos o universo ao nosso redor. Fazemos isso evitando situações de stress, cultivando bons relacionamentos entre os seres humanos, procurando sempre uma forma mais sensível e amorosa de tratar com a família, com o parceiro afetivo, com os colegas de trabalho, com os amigos e até mesmo com os desconhecidos.
 
Trata-se de uma beleza cultivada de dentro para fora que extrapola os limites internos e se reflete em nosso corpo físico externo. Trata-se de uma beleza verdadeira, que pode ser sustentada por anos ou décadas.  Com o tempo, descobrimos que a beleza, muitas vezes, não está atrelada a nenhum fator físico especial, mas que é um reflexo da forma como nos sentimos num determinado momento. Por exemplo, quando recebemos um elogio, quando nos sentimos valorizados, quando realizamos com sucesso algum projeto, quando nos sentimos especiais. Podemos concluir que a beleza sustentável é aquela construída com base na auto-estima, na segurança e no conforto pessoal.
 
Nesse panorama, o Método DeRose possui ferramentas para o desenvolvimento integral do ser humano, com conceitos e técnicas oriundas de tradições muito antigas, que acentuam essas potencialidades. Esse trabalho vem sendo realizado há 50 anos no Brasil e fora dele, com o intuito de aprimorar a mente, o emocional e o corpo. Para isso, o Método utiliza uma série de técnicas corporais, respiratórias e de mentalização, que nos ensinam a gerar determinados modelos mentais, os quais nos ajudam a superar circunstâncias difíceis, outras bastante duras e até mesmo aquelas aparentemente impossíveis de serem superadas. Percebe-se que às vezes basta um tom de voz amigável, um sorriso ou a palavra certa para administrar um conflito e mantermos um estado de bem-estar constante.
 
Um estado de animosidade numa relação afetiva, entre amigos ou colegas de profissão, pode deteriorar e comprometer, às vezes para sempre, essas relações. Pessoas de bem com a vida vivem mais, produzem mais no trabalho e aumentam sua expectativa de vida, o que caracteriza uma das propostas do Método.
 
Segundo o Educador DeRose, é preciso que cada pessoa se preocupe com a sua atualização e auto-superação constante. Ele afirma que ao longo da vida dele, observou que as mulheres que conseguiam tudo o que queriam – fosse no âmbito profissional, fosse no afetivo – não eram as esculturais. Eram as que possuíam beleza interior. Elas cativavam, conquistavam e seduziam pelo olhar, que expressa o que cada um tem de verdadeiro dentro de si. Isso é beleza sustentável!


(Matéria publicada na Revista Sul Sports número 34)

4 comentários:

pimentinha37 disse...

Parabéns pela matéria! Adorei cada parágrafo! Beijos

Alessandra Dorante disse...

adorei Nai. esse conceito tem mesmo que ser mais difundido.
há um grande antagonismo em estar a envelhecer e querer ser sempre o protótipo da barbie.
e à medida em que conquista-se mais qualidade de vida e consequente longevidade, é realmente insustentável essa beleza artificial.

Teacher Johnny disse...

gostei muito.
muito inspirador!

Maicon disse...

Adorei!!
bjs